domingo, 16 de novembro de 2008

Inércia


As palavras dançam, pulam,

festejam em mim

Sapecam, assoviam,

mas nunca dormem em mim

Eu falo até sonhando

Flutuam o tempo!

Ah, elas são...

Eu odeio o sossego delas.