sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Á Minhas Rainhas de Candance

Me atrasei na afinidade, atrasei
Sou pequena, mulher a desenvolver
O calendário é pra chegar cedo
Eu nao cheguei
Vi cores tantas, rodei, intensificou
Fui o mar, dia e noite, serei sereia
Tanta coisa, sei dizer que amei
Tudo que bate no peito é máquina de somar
Durante a vida, perdi-me uma só vez, mas achei ao encontrar sentimento impetuoso.
Sou corpo que não pode alterar seu movimento!



Mulher negra é o Nilo no tufão
Um raio e o trovão
a mando de minha mãe
Mulher negra é pele com força
repele quem não lhe faz bem
O sangue, fervor
Explode para amar
Ninguém decifra, ela tranqüiliza
O sofrimento é força
o peito é para doar
Infinitivo
Mulher negra é verbo sem fim

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Reinvento para alinhar

Picasso
Reinvento minhas palavras
Com sua chegada
Desafio melhor que ser livre
É liberdade
Suspiro maior que a liberdade
Comoção
Me comove a surpresa de ser você
Toda dia, eu
Hoje, breve, Escandalizo o amor
Silencioso
E repito-me que já te sonhei por ser você, eu
Arranco e aguardo nu, ao amor.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Eis o verso

Vejo nas entrelinhas
um mar de coisas
que não descubro
que me encobrem
e eu possuo
.
Um mistério
Coberto de areia
e nuvem roxa
e eu não possuo
.
Mas todo verso
é aparelhado para o mistério
cantado e não descoberto
.
Todo verso
é encoberto
por um mistério
protegido e calado
e eu canto para
Descobrí-lo

sábado, 16 de maio de 2009

[Violar]



Sempre que eu ouço o barulho de tiro sinto que fui atingida, mas eu não morri.
Aí, com dor fui despetalada, mas nunca morta.
Os tiros vêem, me arrancam um pedaço e se vão, mas deixam buracos em mim!
Um dia eu me olhei e vi que todas as armas tinham ocupado de vazio o meu corpo,
mas eu fui regada.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Des.coberta!


"Mas a poeira é só a vontade que o chão tem de voar."

terça-feira, 14 de abril de 2009

Surgir


Convido uma idéia
para brincar
De dança pequena, ciranda feliz
Flores cantavam
Amadureci
De cor autêntica
Veio a dança
Seduzir
Provoca a roda
Unir
[Esgotou]
A dança nunca esgota
Ela dança sem dormir

sábado, 21 de março de 2009

Mandá-la


Se corrompe
Corrói
.
É estrutura
Constrói
.
Se espelha
é reflexo
.
Se amor
Anexo
.
Olhos calados
é morte
.
Se protestar
é forte
.
Atenderam
sorte
.
Se gritou
alerta!
.
Se mudou
acerta
.
Se amou
é festa

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Ciranda que não passa


Do Livro O Quilombismo de Abdias Nascimento Pág. 161 6ª frase
"Quero encerrar esse documento reafirmando minha confiança nos jovens negros do Brasil"
Uma tentativa desesperada para a ciranda eterna de Betina
.
Que não importa a confiança
Não importa a clareza
A negrura sempre encobre
caráter ou riqueza
.
Estão dividos
favelas e cadeias
Escritórios, hospitais
Existe sim negro forte
para preservar os ancestrais
.
Há uma fúria que pulsa
desmascarando a poluição
Legitima defesa
pondo fim a imitação
.
Não apague a memória
Aqui se alimenta do passado
Não queria diferença,
mas tentam roubrar nosso legado
.
Negro todo
A liberdade já vem
Só falta mostrar ao branco
O que é dele, é meu também!

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009


Desflorar para renascer

Nuances

Que o cinza provou

Gracejo

Que ele não segurou

Se coloriu de primavera

Se coloriu num festejo a ela

Flor que morre, nasce

Morre em vão

Se recriou

o vivo

Se remorrer

não pode

Que surja - suba- seja - parta

Fênix

Pólen - sêmen de flor

Sêmen - pólen de amor