domingo, 30 de março de 2008

segunda-feira, 24 de março de 2008

Renascimento, esperança

Gustav Klimt

O infinito da centelha

do fogo, na chama, no calor

colhe o renascer

de doce união

entrelaçado ficou

no poder do fervor

Se é vela o vento apagou

O que era fogo se acabou

O calor que resta

Perdura, quentura que sobrou

Ilumina!

Acende!

Candeia!

E faz nascer uma bela manha.

Poesia feita na aula de Teatro


quarta-feira, 19 de março de 2008

Deslumbra ao longe tanta beleza






Que seria da vida
se não a vida fosse tão bela
pássaro, cravo, canela
poder enxergar o tudo
sentir o nada
voar!
ver o sol alaranjar
mergulhar no azul-mar
estar todo um colorido
Intenso e bonito.
Que seria da vida
se não fosse ela tão bela
sorriso.
Tão nada
sentido.
Tão som
ouvido
Tão tudo
Tempo querido!

sexta-feira, 7 de março de 2008

Frescor exclusivo =D



Debruçada no anoitecer


deixando a brisa


Contornar minh'alma


sentir secar o corpo


sentir, amar o vôo


revoar na janela


cair na noite


volúpia!


estrelas tatuando as pupilas


Sonhei!

e despertei no alpendre.

domingo, 2 de março de 2008

A corrente

Vaidoso
vento estrídulo
Cantando no alvor do dia
Visceral e gélido
Penetra e esvai
Galgando a perfeição
do frescor, na face
vento que liberta
inane me fere
ofertando a cura
Que sopra, desdobra, suporta
Desalinho no seu eco.
A procura.
Ah! ele está em todo canto.
Seu cantar.