domingo, 26 de outubro de 2008

Carne

A carne crua, lisa
tão intensa, viva
Parte de mim canibal
Tira a roupa, pele e todas suas dermes
a carne crua de pudor
a carne nua
sem pudor
Vem dilatar
No corpo um calor amoroso
Vem libertar
sentimentos tépidos
para mandar depressa embora
Ora, nesse corpo só habita
ardente
Paixões e excessos!

2 comentários:

betina moraes disse...

lindo!

gostaria de tê-lo escrito!

um beijo amada!

º°Manaxica°º disse...

Tudo que é meu é seu!