sábado, 16 de maio de 2009

[Violar]



Sempre que eu ouço o barulho de tiro sinto que fui atingida, mas eu não morri.
Aí, com dor fui despetalada, mas nunca morta.
Os tiros vêem, me arrancam um pedaço e se vão, mas deixam buracos em mim!
Um dia eu me olhei e vi que todas as armas tinham ocupado de vazio o meu corpo,
mas eu fui regada.

2 comentários:

Thiago Almeida disse...

Lindo!

Meus parabéns.

ManinhaChica disse...

A beleza está nos olhos de quem vê!

obrigada, amigo!


Beijos